MENU

17/03/2021 às 11h07min - Atualizada em 17/03/2021 às 21h30min

Melhores amigos dos seres humanos, os animais de estimação trazem conforto emocional e exigem cuidados

SALA DA NOTÍCIA Renato Cipriano
Carolina Botelho - Foto Acervo Pessoal
O isolamento social imposto pela pandemia motivou inúmeras pessoas a procurarem amigos de outras espécies, mas influencer alerta que os cuidados devem ser analisados, já que animais não são descartáveis.

Durante a pandemia cresceu ainda mais a procura por animais de estimação, fato que evidencia uma tendência já observada há anos nos lares brasileiros, com mais pets e menos crianças: conforme dados de 2015 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o número de mascotes nos lares brasileiros era de cem milhões, enquanto que o de crianças era de 45 milhões na época do levantamento, em 2013.

O comportamento ganhou força no isolamento social. Só em São Paulo, a organização não governamental União Internacional Protetora dos Animais (UIPA), localizada na Zona Norte da capital paulista, registrou crescimento de 400% na procura por cães e gatos. No entanto, vale destacar que toda adoção ou compra de um mascote implica responsabilidades.

“Antes de você adotar ou adquirir um pet você tem que saber como funciona a dinâmica da sua família, analisar seu estilo de vida, se você tem crianças, se tem tempo para passear, se mora em casa ou apartamento, se há algum jardim ou área verde, quais os cuidados que aquele animal precisa”, afirma Carolina Botelho, dona dos cães Dingo e Cacau. Ela é uma apaixonada por animais e seu amor pela dupla é tanta que criou o perfil do Instagram Os Paulistinhas, que reúne 202 mil seguidores, ou “aufãs”, como gosta de se referir. Na página, além de mostrar o dia a dia dos “aumigos” ela aborda temas como a responsabilidade dos tutores.

O principal motivo que leva a adotar ou a comprar um animal é a saúde mental. Pesquisa publicada em junho de 2020 na revista acadêmica Journal of Veterinary Behavior analisou o papel dos pets durante a pandemia do novo coronavírus. Foram analisadas as respostas de 1.297 pessoas na Espanha sobre sua relação com seus pets durante a quarentena. As medidas de isolamento social foram extremamente rígidas no País, com ação policial e multa para quem desrespeitasse. No total, 75% dos entrevistados disseram que os animais ajudaram a lidar com o período de confinamento.

Carolina Botelho não só concorda, como também compartilha seu relato. “Para mim, em termos de cabeça, eles fazem muito bem. Na quarentena, se não fosse eles, eu acredito que eu teria ficado maluca, temos uma conexão muito forte, eles me dão força e me acalmam, são uma base”.

Para ela, todo o trabalho e custos de ter um animal são recompensados. “Ter um mascote em casa chega a me emocionar, é muito maravilhoso, o brilho no olhar de um animal é absolutamente especial, eles nos olham nos olhos, não querem nada em troca além de um carinho e um afago. Eles não sabem falar, mas se comunicam com o olhar e com gestos, o melhor de tudo é que sempre falam a verdade, não existe um mascote que não seja sincero!”. 

Carolina Botelho com os cães Dingo e Cacau - Foto Acervo Pessoal

Carolina Botelho com os cães Dingo e Cacau - Foto Acervo Pessoal



Responsabilidades

Para quem quiser entrar no maravilhoso mundo dos pets, a recomendação da tutora do Dingo e da Cacau é analisar tudo o que envolve receber um novo integrante na família. “Animal não é só dar água e comida, tem que brincar e dar atenção, é um serzinho com um coração que bate”, alerta Carolina. Os custos podem variar conforme a espécie e a raça, mas é importante ter em mente que não se resumem à alimentação apenas — que deve ser de boa qualidade — há que se levar em conta também consultas veterinárias, vacinas, remédios, brinquedos e custos gerais, como os envolvidos para levar o animal em uma viagem ou para pagar um local ou uma pessoa para cuidar do pet quando for viajar.

“Tem que pensar em todos estes aspectos, se preparar inclusive para o fato de ter que abrir mão de algum passeio ou viagem por causa dele em alguma situação”, lembra Carolina. Tudo isso sem falar no tempo: eles precisam de atenção.

Cães de pequeno porte têm necessidades diferentes dos de grande porte, já os gatos têm outra dinâmica: são mais independentes e gostam de ficar em casa. No entanto, qualquer animal exige uma rotina de cuidados, que pode ser mais ou menos intensa. Portanto, antes de tudo, o ideal é conversar com profissionais e outros tutores para se informar qual é o perfil de pet ideal para você, jamais escolher apenas o mais bonito.

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Fale pelo Whatsapp
Fale Conosco
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp