MENU

03/03/2021 às 14h52min - Atualizada em 03/03/2021 às 14h52min

A influência da ansiedade na saúde bucal.

Pode até não parecer, mas a ansiedade e saúde bucal possuem uma relação estreita e devem ser olhadas com cuidado.

Gabriel Paladino
Da Qualivida Online
Pixels
Afinal, ao observar, é a partir da boca que o ser humano demonstra o que se sente, seja por meio da alimentação ou pela fala e expressões, sendo importante e um sinal da relação intrínseca existente.
 
Muitos problemas de saúde bucal podem estar relacionados com fatores psicológicos e que agravam quadros do corpo e do organismo. 
 
Segundo os dados da Organização Mundial de Saúde (OMS), o Brasil é o lugar que concentra mais pessoas ansiosas no mundo. São mais de 18 milhões de brasileiros que sofrem com esse transtorno.
 
No mundo todo, são 64 milhões de pessoas que sofrem de transtorno de ansiedade, ainda segundo os dados da OMS. Devido a esses números tão alarmantes, é preciso compreender os impactos e formas de prevenir seus efeitos no corpo.
 
Por esse motivo, esse tema é tratado com urgência nos últimos tempos no planeta e o abordaremos neste artigo.
A relação entre ansiedade e saúde bucal
Desde pequenas, as pessoas costumam fazer movimentos e ações involuntárias com a boca quando estão ansiosas. 
 
Isso acontece porque o contato da via oral no momento da amamentação, por exemplo, proporciona uma sensação de conforto ao fazer o movimento de sucção. Com isso, diversas manias são desenvolvidas para aliviar o estresse.
 
Assim, no decorrer dos anos, colocar objetos na boca, ou mesmo a unha, para mastigar e/ou roer se torna algo estimulante involuntariamente na cabeça das crianças. 
 
Contudo, apesar de ajudar com a ansiedade, esse costume pode causar grandes problemas quanto ao acúmulo de bactérias que isso pode causar. 
Outro estimulante que é frequentemente usado para os bebês é o uso de chupetas ou os próprios dedos. Esse hábito pode causar má formação dos dentes futuramente. 
 
Nesses casos, após a formação da estrutura dental, é possível recorrer a diversos tratamentos. Isso porque a odontologia também oferece opções para solucionar problemas estruturais e funcionais da arcada dentária, como o uso do aparelho de dente.
Efeitos da ansiedade na saúde bucal:
Como foi falado, a relação entre a saúde emocional e bucal é bem estreita e os efeitos que isso pode trazer à boca e aos dentes são negativos, bem como pode afetar todo o corpo.
 
Por isso, é preciso manter-se atento aos hábitos cotidianos e formas de aliviar o estresse, bem como ao bem-estar para manter o corpo, a mente e o sorriso em bom estado.
  1. Roer unhas:           
O vício em roer unhas está relacionado à ansiedade e ao estresse. Esse hábito remete ao de chupar dedos quando criança e pode ser extremamente prejudicial à saúde. 
 
Roer unhas pode desgastar o esmalte do dente, provocando a proliferação de bactérias e cáries, afinal, as unhas também acumulam microorganismos. 
 
Além disso, os dentes também podem se deteriorar e, quando quando o hábito é desenvolvido na infância, pode influenciar no desenvolvimento da estrutura dental de forma inadequada. 
 
Para contribuir com a recuperação, reparação ou mesmo um desenvolvimento mais correto da dentição, diversos tratamentos odontológicos podem ser feitos, como a lente de contato dental, ou até mesmo o aparelho.
 
Isso porque esses procedimentos contribuem para um melhor alinhamento e, no caso da lente, na coloração dental que também pode ser prejudicada. Cabe dizer que a lente pode ser um processo complementar ao aparelho, pois o alinhamento é para cenários menos complicados.
 
Rachaduras e quebras também podem ocorrer, nesses casos, a restauração ou a aplicação da lente podem ser necessárias.
  1. Má higienização da boca:
A ansiedade pode atingir até a forma de vida de uma pessoa, fazendo com que ela mude seus hábitos e fique desleixada com rotinas de higiene, saúde e cuidado pessoal.
 
Com isso, não é raro que os hábitos de higiene, principalmente de limpeza bucal, sejam deixados de lado quando há impactos na saúde emocional.
 
A higienização bucal é extremamente importante, independentemente da pessoa usar ou não aparelho ortodontico.
 
Isso porque é a escovação correta que previne a proliferação de bactérias e formação de placas, responsáveis por diversas doenças bucais, como a cárie e a inflamação gengival. 
 
Assim, é importante estar atento a esses sinais, de modo a preservar o esmalte dental e identificar os gatilhos para a ansiedade. Além disso, o acompanhamento profissional é crucial nesses casos. 
 
Afinal, do mesmo modo que os médicos cuidam dos sintomas e problemas que atingem o organismo, uma equipe multiprofissional (dentista e psicólogo) podem atuar de modo a identificar os ofensores da ansiedade e reduzir seus efeitos na saúde bucal - havendo o acompanhamento e encaminhamento corretos.
  1. Vícios:
O transtorno de ansiedade pode acentuar o uso excessivo de álcool e tabaco, que são grandes vilões da saúde bucal. 
 
Esses elementos podem causar mudanças drásticas na coloração dos dentes e afetar o pH, facilitando a proliferação de bactérias e problemas como boca seca e mau hálito.
 
Após o abandono do vício, é comum que o aspecto dental passe a incomodar.
 
Nesse sentido, para quem deseja ter os dentes mais brancos, além dos hábitos de limpeza correta diária, existe o procedimento de clareamento dental, que pode recuperar a cor da arcada.
  1. Compulsão alimentar:
A alimentação também pode agir como uma válvula de escape para quem sofre com transtorno de ansiedade. 
 
Para se ter uma ideia, a compulsão alimentar é frequente nesses casos e, além do excesso de comida não fazer bem para a saúde, o tipo de alimento que é consumido geralmente são de alto teor de carboidrato e açúcar impactando em todo o organismo.
 
Isso ocorre porque tais produtos facilitam o surgimento de doenças bucais como cáries e gengivite, devido ao fato dos açúcares estimularem a proliferação da placa bacteriana e causando uma reação nos tecidos.
 
Com isso, juntamente aos cuidados inadequados de higienização, problemas mais graves podem ocorrer, comprometendo toda a estrutura do dente, o que pode ocasionar a extração ou perda dental para conter as inflamações.
 
Nesses casos, realizar uma limpeza no local será crucial para tais procedimentos, bem como para a colocação de um implante dentário que auxiliará na recuperação da funcionalidade e beleza da estrutura.
 
  1. Bruxismo:
O bruxismo é uma doença bucal diretamente relacionada à saúde emocional, podendo se intensificar nas situações de estresse.
 
Conhecido como o hábito de ranger e pressionar os dentes, principalmente durante o sono, o bruxismo pode trincá-los ou quebrá-los por inteiro. 
 
Além disso, a patologia pode acarretar em:


 
  • Desgaste do esmalte do dente;
  • Problemas na articulação do maxilar ou da mandíbula;
  • Dores musculares;
  • Dores de cabeça;
  • Dor na coluna.
 
Deste modo, é crucial realizar o acompanhamento adequado pois, para reduzir os impactos na cavidade oral, o dentista pode recomendar o uso de um protetor intra oral, evitando que haja a tensão entre os dentes.
 
Além disso, identificar os fatores que geram ansiedade e formas de lidar melhor com esses gatilhos é fundamental para a manutenção da saúde mental e corporal como um todo. Por isso, as terapias não podem ser deixadas de lado, contribuindo para o autoconhecimento e controle.
 
Conteúdo originalmente desenvolvido pela equipe da Clínica Ideal, plataforma especializada em marketing e gestão para consultórios e clínicas odontológicas.
 
PARCEIROS REGIONAL
Agencias Publicitarias
Clever Adversing Grup.
  bet365
  Bet9Ja
  BETANO
  BoyleSports
  Caliente
  FAVBET
  Hollywood bets
  Pari Match
  Planet win
 Pokerstars
 SOLVERDE.pt
 Stoiximan
 WINBET
 
PARCEIROS CLUBE EXPRESS
Maringá
-Veículos:
  Golden Car  Locadora
- Animais:
  Animal Center Maringá
- Alimentos e Bebidas
  Fatima Rico Tortas
- Lojas:
  Ricardo Eletro
- Clínicas:
  Clínica da Alma
- Vida Saudável
  Armazém Vida Saudável
Marialva:
- Papelarias:
 Papelaria Planalto
Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Fale pelo Whatsapp
Fale Conosco
Fale conosco pelo Whatsapp.