MENU

18/12/2018 às 11h23min - Atualizada em 18/12/2018 às 11h23min

Professora da Suécia organiza resgate de aluno yazidi em região dominada pelo Estado Islâmico

Doutorando viajou para o Iraque assim que soube que mulher e filhos estavam em área ocupada por grupo terrorista. Universidade armou plano de resgate.

g1.com.br


Uma professora da Universidade de Lund, na Suécia, organizou o resgate de um doutorando retido em uma região do Iraque controlada pelo grupo terrorista Estado Islâmico. A operação ocorreu em 2014, mas o caso só foi revelado nesta semana pela revista "LUM", oficial da instituição.

Tudo começou quando Firas Jumaah, doutorando em química na instituição, soube que o Estado Islâmico havia invadido a cidade onde a família dele morava no norte do Iraque. Mesmo sabendo dos riscos e da tese a terminar, ele tomou um avião para tentar proteger a mulher e os filhos.

Jumaah é da etnia yazidi, vítima de genocídio pelos militantes do Estado Islâmico. Os terroristas, quando invadiam vilarejos dessa população, matavam todos os homens e tomavam as mulheres como escravas.
Minoria Yazidi para escapar da violência do Estado Islâmico caminha em direção à Siria, em imagem de 11 de agosto de 2014 — Foto: Rodi Said/Reuters Minoria Yazidi para escapar da violência do Estado Islâmico caminha em direção à Siria, em imagem de 11 de agosto de 2014 — Foto: Rodi Said/Reuters

Minoria Yazidi para escapar da violência do Estado Islâmico caminha em direção à Siria, em imagem de 11 de agosto de 2014 — Foto: Rodi Said/Reuters

O doutorando em química, portanto, teve de se esconder com a família em uma fábrica de alvejantes abandonada. Lá, fazia calor de 45°C e eles tiveram de conviver semanas com pouca comida e um cheiro forte de produtos químicos.

    "Que vida eu teria se alguma coisa acontecesse com eles ali?", perguntou-se Jumaah.

Atraso na pesquisa

O doutorando, então, enviou uma mensagem à orientadora da tese – a professora Charlotta Turner. Ele pediu que ela imprimisse a tese caso ele não retornasse à Suécia em uma semana.

Desesperada, Turner procurou a chefia da Universidade de Lund para tentar fazê-lo voltar para concluir a tese. "Fiquei revoltada em como o Estado Islâmico invade nosso mundo, expõe meu aluno e sua família e ainda atrapalha a pesquisa", disse a professora.

A instituição concordou em ajudar. A professora telefonou para o chefe de segurança Per Gustafson. Ele a informou que, coincidentemente, ele havia contratado para a universiade empresas de segurança e transporte que existiam em várias partes do mundo. "Parecia que estávamos preparados para a missão."

O resgate do doutorando

Refugiados da minoria yazidi são retirados do monte Sinjar, no norte do Iraque — Foto: Rodi Said/Reuters Refugiados da minoria yazidi são retirados do monte Sinjar, no norte do Iraque — Foto: Rodi Said/Reuters

Refugiados da minoria yazidi são retirados do monte Sinjar, no norte do Iraque — Foto: Rodi Said/Reuters

Gustafson e Turner, então, bolaram um plano. Eles contrataram mercenários fortemente armados que partiram em busca de Jumaah. Conseguiram resgatar o doutorando, a mulher e os dois filhos pequenos da zona de guerra. Todos passaram seis horas protegidos com coletes à prova de balas e capacetes até chegarem ao aeroporto em Erbil, prontos para partir à Suécia.

    Vencedora do Nobel da Paz 2018 é da etnia yazidi; saiba mais

"Foi difícil e eu me senti mal por ter deixado minha mãe e meus irmãos para trás", contou Jumaah. A boa notícia veio depois, quando soube que eles conseguiram escapar da região ocupada pelo Estado Islâmico.

Finalmente na Suécia, Jumaah conseguiu concluir o doutorado. Hoje, ele tem uma permissão permanente para morar no país europeu com a família e trabalha em uma empresa farmacêutica na cidade de Malmo. A mulher dele, Rawya Hussein, é mestre em química e procura emprego.

    "No Iraque, não podia dizer que era yazidi. Na Suécia, sou tão digno quanto todo mundo. Eu me sinto forte, pertenço à sociedade e cumpro com meus deveres por isso", contou Jumaah à "LUM".

A professora que iniciou os trabalhos do resgate – e sacrificou as férias por isso – celebrou a vinda da família de Jumaah.

    "Há algo de muito bonito na pesquisa, porque ela se espalha pelo mundo e o une. Podemos ver a pesquisa como um projeto de paz", afirmou a professora Turner.
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Fale pelo Whatsapp
Fale Conosco
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp