MENU

05/02/2021 às 09h38min - Atualizada em 05/02/2021 às 09h50min

Peças históricas são encontradas nas escavações dos Sítios Arqueológicos de projeto no Paraná

Coleções encontradas pelo Sistema de Transmissão Gralha Azul serão encaminhadas para instituições de guarda

SALA DA NOTÍCIA PAULA BATISTA
GP-PR
Com grande importância para a história, o Patrimônio Cultural, especificamente o Arqueológico, é foco de estudos para as obras do Sistema de Transmissão Gralha Azul (STGA), da ENGIE. Passando por 27 municípios do Paraná, o STGA vem promovendo - por meio da execução do Programa de Gestão do Patrimônio Arqueológico - a localização, o estudo e a conservação arqueológica dos materiais encontrados nos locais onde as obras vêm sendo realizadas.
O Diretor de Implantação do STGA, Márcio Daian, reforça que os estudos que envolvem a área do Patrimônio Arqueológico estão presentes desde a etapa de planejamento dos empreendimentos do projeto. “Fizemos uma análise completa, desde a fase de pré-leilão da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), onde estudamos o potencial arqueológico da região atingida pelo projeto, e estaremos atuando até a emissão da Licença de Operação, com a etapa final das obras”, explica Daian. “Todas as peças arqueológicas encontradas são encaminhadas para análises nos laboratórios de arqueologia e, posteriormente, para a Instituição de Guarda Permanente da Coleção. Lá elas ficam acondicionadas e são utilizadas para futuros estudos de pesquisadores, o que demonstra mais uma preocupação do STGA com a conservação local e com o cumprimento das normativas legais exigidas”, analisa o Diretor.
O processo de análise da Arqueologia local, dentro do STGA, iniciou primeiramente com o estudo de impactos, fase em que são identificadas as áreas com potencial arqueológico, por meio do levantamento e estudo do solo - com foco na geologia e geomorfologia -, da paisagem, do ambiente e do paleoambiente, com  análises dos dados coletados e pesquisas realizadas em campo e laboratório.
De acordo com a Arqueóloga Gestora do STGA, Luciana Ribeiro, há um grande e complexa pesquisa sobre as populações que habitavam a região. “Todos os sítios arqueológicos encontrados pelo STGA são analisados à luz de estudos feitos no passado, cruzando os dados com pesquisas atuais. É, então, elaborado o cadastramento das poligonais dos Sítios Arqueológicos, para constar no Cadastro Nacional de Sítios Arqueológicos (CNSA) do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN). Com isso, são tomadas todas as medidas preventivas previstas na legislação vigente e as medidas de controle durante a obra, como o monitoramento contínuo das atividades de supressão de vegetação e fundação das torres”, explica Luciana.
Com a etapa de avaliação de impacto concluída, o projeto de gestão avança e inicia-se a fase de escavação dos sítios arqueológicos. Luciana relata que essa ação é como contar uma história. “Funciona como a leitura de um livro, mas de trás para frente. A primeira camada a ser escavada será o final da história, e na última camada do sítio arqueológico - no fundo do solo - temos o início dessa história”. Por este motivo, a ação de escavação é feita aos poucos, cerca de 10 em 10 cm. “Se alguém vem e bagunça as camadas de solo do sítio arqueológico é como se misturasse as páginas do livro sem numeração, bagunçando sua história. Por isso, o processo é feito passo a passo e com todo cuidado”, afirma a Arqueóloga.
As ações da Arqueologia do STGA são focadas principalmente em dois tipos de sítios arqueológicos: os líticos e os cerâmicos, que buscam entender os modos de vida dos grupos, e como os artefatos de pedra lascada/polida ou vasilhames cerâmicos eram produzidos e utilizados por grupos humanos neste ambiente. Com isso, são feitos estudos e levantamentos das populações pré-históricas e históricas e seus hábitos de vida. Essa pesquisa é realizada através das escavações que evidenciam os vestígios da cultura material, como restos de fogueiras, alimentos, ferramentas, habitações, e objetos deixados por eles nos locais em que habitavam. Ao longo das atividades, já foram encontradas pontas de projétil (flecha), raspadores, machadinhas, fragmentos de urnas cerâmicas Tupiguarani e vestígios de carvão.
A equipe arqueológica do STGA, esteve em dado momento, composta por até 60 profissionais em campo - entre arqueólogos e técnicos da ENGIE e das empresas executoras Zanettini Arqueologia e A Lasca Consultoria. Os materiais coletados, após datados e sistematizados, seguem diretamente para análises em laboratório. A arqueóloga explica que, nos casos específicos em que os materiais estão em posse de propriedades particulares, é realizada a educação sobre o tema. “Muitos retiram artefatos, arando a terra há décadas, e geram acervos particulares, e acabam criando carinho por aquelas peças, pois são consideradas pertencentes da história da família. O IPHAN estuda a regularização destas coleções em um banco de dados nacional”, explica Luciana. Os materiais oriundos das escavações,  seguem para o Instituição de Guarda no Estado do Paraná, onde as universidades estudam o que foi coletado em pesquisas de trabalhos de conclusão de curso, mestrados e doutorados, ampliando o conhecimento sobre o passado da nossa sociedade.
 Neste momento, está em fase de finalização as atividades de educação patrimonial desenvolvidas pelo o PIEP – Programa Integrado de Educação Patrimonial. “Com essa ação buscamos dialogar com as comunidades e estimular à conscientização do patrimônio local, para que se apropriem dos bens culturais regionais e assim sejam agentes da preservação. As atividades buscam ampliar os conhecimentos sobre os tipos de patrimônio, internalizando a ideia de conservação e preservação local”, conta Luciana.

 
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Fale pelo Whatsapp
Fale Conosco
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp